Order Of The Voltec

Introdução

      Acredito firmemente que a principal razão que os indivíduos têm para se juntar à Order Of The Voltec é que nós utilizamos os conceitos centrais das obras de Carlos Castaneda dentro do contexto tanto do ocultismo moderno (incluindo práticas mágicas do ocidente e cerimoniais do oriente), “magia” e, a assim chamada, Feitiçaria Tribal ou Xamânica. O casamento entre a Técnica Xamânica e a Magia Cerimonial existe há muito tempo, no entanto, há um elemento que as pessoas encontraram (ou irão encontrar) em falta. Nós, que gravitamos em direção ao oculto, já ouvimos falar ou lemos Carlos Castaneda. Nós provavelmente até chegamos a algo que incorporamos permanentemente em nosso processo, mas há algo mais e os Iniciados da OV sabem disso. O trabalho, quando colocado no contexto apropriado, pode ser uma ferramenta importante para o Iniciado do Caminho da Mão Esquerda. A OV tem eliminado as novas e antiquadas “exigências dos reencarnadores de Castaneda para chegar à raiz de seu poder”.

      Dentro deste pequeno livreto, o Iniciante da O.V. verá os resultados de um projeto que iniciei há quase dez anos. Uma vez que o conceito da Árvore da Noite “nos foi revelado, começamos a ver como os conceitos centrais do trabalho de Castaneda se relacionavam com este mapa” e o que significa para o Feiticeiro Volteca. Mesmo agora, todo o escopo deste trabalho influencia minhas práticas diariamente e a descida na Arvore da Noite é um processo cíclico que é preciso empreender em sucessão constante. O leitor é incentivado a continuar esse trabalho à sua maneira e a estar sempre atento a esses “conceitos centrais”, pois eles têm mais impacto do que qualquer um pode perceber.

DEUS FACTUS SUM

Malkuth

Loucura Controlada
Lilith – Rainha da Noite

      Para aqueles Iniciantes que trabalham dentro da primeira sefira do Árvore da Noite Volteca, o conceito de “Loucura Controlado” deve ser entendido para continuar sua descida nas Posições “Desconhecidas” do Ponto de Assemblagem. O Guerreiro Volteca vive acima da ética convencional e considera as considerações de ações “certas” ou “erradas” obsoletas. Este estado leva à percepção de que a maioria dos humanos se envolve em seus assuntos diários sem decisão consciente e frequentemente levam a modos degenerados. O Guerreiro Volteca se esforça para brincar com a realidade, para estar livre de apego ou desejo por resultados específicos, mas permanecendo inteiramente consciente de suas escolhas e de suas ações. Nada é deixado ao acaso, entretanto, é inevitável que o Guerreiro Volteca perceba que os resultados dessas ações não têm sentido.

      No “Poder do Silêncio”, o leitor aprende a não se apegar a nada, mantendo-se parte de tudo. No LHP, os Iniciados devem entender que eles não são um com o mundo e que não existe uma co-existência homogênea. Eles são simplesmente uma parte do todo e não estão, em nenhum termo, buscando uma completa integração com seu ambiente. A loucura controlada é uma ferramenta que pode ser utilizada para reduzir a auto-importância e aplicar os princípios da “espreita” ou nos termos da Volteca, aplicar o feitiço do Caminho Descendente. Eu compartilhei meu experimento de Loucura Controlada com a Order Of The Voltec em primeiro grau, “Diabolista”, fórum de discussão. Esse foi um exemplo simples que me permitiu aplicar a Loucura Controlada.

      Minha experiência: Vou recontar o experimento que realizei, junto com os Iniciados do OV. Quem me conhece, entende que sou competitivo. Bom ou ruim, sempre joguei para vencer. Eu não estava dado à perder. Eu definitivamente excluí perder como uma parte da vida. Eu pude deixar uma perda sem problema, no entanto, enquanto estava envolvido em qualquer competição, eu ficaria absorto com o “jogo” na mão e determinado a vencer. Por muitos anos, eu convidava meus amigos para uma noite de pebolim. Todos nós tínhamos $10 ou $20 e escolhemos um membro da equipe aleatoriamente e jogamos vários jogos. O vencedor foi premiado com todo o dinheiro. Foi uma noite divertida entre amigos e, claro, adorei a competição. Eu decidi que iria me envolver na loucura controlada durante uma dessas sessões de pebolim. Eu iria agir tão competitivo como sempre, eu iria falar besteiras como de costume e iria jogar tão duro como sempre. Desta vez, no entanto, eu iria perder intencionalmente. À primeira vista, parecia que estava procurando por resultados específicos, no entanto, eu não tinha foco do que viria da minha perda do jogo. Eu não me importava como os outros aceitariam, nem me importei com o que isso faria com a minha natureza competitiva. Eu estava livre da pressão real de ganhar e não me importava nem um pouco com o grande prêmio em dinheiro ou a alegria da vitória. Eu simplesmente joguei duro e no final…perdi.

      É simples assim. Uma transgressão intencional deste princípio também pode ser utilizada pelo Guerreiro Volteca. Planejar as ações e organizar os eventos para obter um resultado é o que chamamos de “Viver Estrategicamente”. Escolhemos nossas táticas e métodos, aplicamos nossas habilidades, lemos nossos ambientes e prevemos as reações para alcançar um resultado desejado. A aplicação da Loucura Controlada e a transgressão deste princípio devem ser dominadas para se aproximar da segunda sefira.

Yesod

Dissonância cognitiva
Gamaliel – Os Obscenos

      Nos livros de Castaneda, Don Juan Matus frequentemente colocava Carlos em situações desconfortáveis, onde ele era forçado a quebrar padrões, agir de maneira que ele não se sentia confortável ou colocado em circunstâncias de medo. Essa técnica, que é chamada de “Dissonância Cognitiva”, pode ser uma excelente maneira de liberar energia para redistribuição em outros aspectos de nossas iniciações. Eu não acredito que este termo tenha sido realmente usado nos textos de Castaneda, no entanto, os princípios certamente foram.

      Este é realmente um conceito simples: identifique os padrões que você defende em sua vida diária e os separe conscientemente. Todos nós temos tantos padrões em nossas vidas que provavelmente não poderíamos quebrá-los. Você dirige pelo mesmo caminho para o trabalho todos os dias, mesmo que haja maneiras alternativas de chegar lá? Você almoça sempre ao mesmo tempo? Você se entrega às mesmas emoções toda vez que está preso no trânsito?

      O truque é identificá-los. Eles podem ser padrões subconscientes que precisariam de um esforço ainda maior para quebrá-los. A idéia chave aqui é: quanto mais difícil for identificar e quebrar o padrão, quanto maior o ensejo da liberação. Pois os padrões do Mago Cerimonial podem ser particularmente previdentes e destrutivos. Muitas vezes, os mágicos mantêm hábitos em rituais que podem realmente contrariar o propósito do trabalho. Agora, aqui está uma situação em que identificar o padrão pode ser crítico. A menos que o Volteca esteja utilizando a Transgressão Intencional da Dissonância Cognitiva criando propositadamente novos padrões para servir ao seu trabalho mágico (veja abaixo a transgressão desta regra) então qualquer potencial, indesejado deve ser destruído.

      A fim de erradicar esses padrões indesejados da nossa Obra Cerimonial, devemos olhar para a estrutura do nosso trabalho como um todo. Você planeja o seu trabalho antes do tempo? Se assim for, então sua tarefa se torna um pouco mais fácil. Você deve revisar suas anotações ou roteiros rituais e remover esses elementos recorrentes que são desnecessários. Existe uma parte que está incluída apenas porque você “tem feito sempre assim”? Questione o propósito de todas as partes do trabalho e elimine as partes que você pode fazer sem. Continue esta prática de revisão até que você esteja confiante de que apenas os elementos essenciais permanecem.

      A ausência de movimento é o “não fazer” do corpo. Os resultados que advirão dessas práticas são, em parte, graças à Dissonância Cognitiva. A Transgressão Intencional da Dissonância Cognitiva é a criação proositl de padrões para nos ajudar a alcançar nossos objetivos. Há momentos em que uma técnica funcionará melhor se formos capazes de utilizá-la sem uma intervenção consciente. Podemos construir um padrão para servir esses fins. É claro que, em um ponto ou outro, teremos que desestruturar esses padrões, mas eles podem nos ajudar por um período de tempo. Pode ser sábio definir esses padrões para ter uma vida útil determinada. Podemos manter esses padrões dentro de um contexto benéfico, permanecendo conscientes de sua existência e destruindo-os no final do seu período de vida pré-terminado. A dissonância cognitiva pode ser incorporada em muitos aspectos de nossas iniciações pessoais. Os padrões serão destruídos e, por incrível que pareça, criados para utilizar completamente a Dissonância Cognitiva. Esta é uma ferramenta que não deve ser subestimada.

Hod

Liberdade do Molde do Homem
Samael – Veneno de Deus

      O “Molde do Homem” (também conhecido como Molde Humano) é o modelo que dá forma a uma energia específica. Este modelo forma a energia no que conhecemos como “seres humanos”. Todos os seres humanos compartilham a mesma forma, apesar das diferenças na aparência geral. O processo de se tornar sem forma e quebrar o estado estagnado da percepção ordinária envolve ver o molde. Uma vez que um Iniciado realiza isso, o Ponto de Assemblagem pode se desmembrar de sua posição habitual. Uma vez que o molde contém tudo dentro do inventário humano, as pessoas frequentemente confundem esse encontro como tendo visto “Deus” ou no mundo oculto algo como o “Sagrado Anjo Guardião”.

      A exposição repetida a este molde, no entanto, remove essa confusão de sua natureza. A feitiçaria envolvendo água parece ser o padrão quando, intencionalmente, tenta encontrar o molde. Se você é tão capaz, o trabalho típico voltado para o conhecimento e a conversação com o Sagrado Anjo Guardião também pode ser eficaz (embora, uma abordagem muito mais a longo prazo). A feitiçaria da água geralmente envolve contemplação e / ou submersão em fontes de água naturais, como riachos, rios ou lagoas e lagos. Os exercícios elementares funcionam melhor para se aproximar do Molde Humano, se o tempo não permitir uma mudança mais completa do Ponto de Assemblagem.

      Exercício da Água: Uma vez que o Molde do Homem existe em lugares aguáticos, um Feiticeiro pode experimentar o Molde conduzindo uma série de exercícios, repetitivamente, até que esteja familiarizado com o elemento o suficiente para evocá-lo durante a Prática do Portal.

1) Como todos os ocultistas sabem, o elemento Água tem as duas qualidades, fresco e úmido. Familiarize-se com essas qualidades submergindo-se em água fria (os lagos e riachos são melhores, mas uma banheira funciona). Deixe apenas o nariz exposto ao ar ou a respiração com a ajuda de um snorkel. Visualize a água que flui através de seu corpo. Não confunda água física com o elemento água durante este exercício.

2) Depois de uma semana ou mais de fazer o primeiro exercício, faça o mesmo procedimento, no entanto, tornar-se o elemento da água enquanto submerso. Permita que o corpo físico se dissolva e exponha-se através do corpo aquático.

3) Torne-se água durante um período do dia em que você não está submerso para aprender a controlar este elemento.

4) Quando você conseguir Mudar seu Ponto de Assemblagem para a Posição onde você puder se tornar Água sem precisar estar cercado por água física, faça a Mudança enquanto realiza a Prática do Portal (Complete a Mudança em “Hod”) e faça outra salto para buscar o molde humano em Kether dos Dias. Comece a dissolver esta imagem cada vez que ela for encontrada e eventualmente perder a Forma Humana.

      A transgressão aqui é encontrar o Molde do Homem sem quebrá-lo no que ele realmente é. Durante esse encontro, mergulhe em todo o espectro das qualidades humanas. Este processo é útil quando o Feiticeiro deseja encontrar o Molde tipo o Sagrado Anjo Guardião como uma “entidade separada” para uma visão desassociada do seu estado atual.

Netzach

Dispersão da Auto-Importância
Oreb Zaraq – O Corvo da Dispersão

      A idéia de se tornar livre para experimentar qualquer estado de Percepção é crucial para o currículo do Voltec. Os Estados de Percepção, como sabemos, são determinados pela Posição do Ponto de Assemblagem. O Ponto de Assemblagem é fixado em sua posição habitual devido à força da Auto-Importância. Uma dispersão gradual de importância própria proporciona à pessoa a capacidade de buscar a liberdade de percepção necessária para saltar de uma posição do ponto de assembléia para a seguinte.

      A Importância do Eu se manifesta de muitas maneiras em nossas vidas diárias, e se torna um grande desafio manter a vigília contra ela. Sempre que ficamos zangados ou chateados, a auto-estima costuma ser a culpada. O Iniciado Volteca não pode viajar para o desconhecido não-humano até perder sua auto-importância. Se alguém está tendo problemas consistentes com sua Prática do Portal, geralmente é devido a auto-importância disfarçada de outra coisa. Tais problemas muitas vezes não são com métodos, mas sim com ênfase, então a consciência da auto importância é o melhor dispositivo de treinamento que um guerreiro pode usar.

      Auto-Importância é geralmente transmitida através do ato de falar. Se alguém pára de falar, exceto quando absolutamente necessário, pode-se reduzir muitos casos de Auto-Importância. Os três princípios básicos do controle da fala que eliminam uma boa quantidade de Auto-Importância são: não critique, não denuncie e não reclame. Se você conseguir fazer isso, muito da sua Auto-Importância não será transmitida e começará a dissolver por desuso.

      Um meio que descobri ser útil é o ato de cuidar de alguém que não seja eu mesmo. Neste capítulo em particular da minha vida cuidei de dois conceitos fundamentais:”Auto Importância” e “Pequenos Tiranos” (ver Capítulo 9-Chokmah). Ter de cuidar de outra pessoa que precise da sua ajuda (especialmente se você não gosta da pessoa) é uma excelente maneira de perder a auto-importância. Dom Juan, nos textos de Castaneda, sugere que Carlos fale com plantas para perder a Auto-Importância. Isso pode funcionar para alguns, mas pode não ser extremo o suficiente para outros. Trabalhar sem expectativa de resultados também é um bom método. Quanto mais esforço se coloca em uma tarefa “infrutífera”, melhores são os resultados. Carlos foi encarregado da tarefa de mover uma pedra enorme. Depois que ele moveu para o local desejado, Don Juan fez com que ele voltasse para o local de antes. Tanto esforço foi colocado em mover a rocha que Castaneda teve que abandonar a Auto-Importância pra que fosse capaz de mover a pedra de volta.

      O Serviço Devocional (Bhakti Yoga) é uma maneira excelente para os Iniciados do LHP perderem a Auto-Importância. A Personalidade não deve ser confundida com nenhum aspecto do Eu Essencial, a importância de si é um produto da personalidade instalada que é um resultado da sociedade, trazendo consigo, a auto-imagem, etc. O Eu Essencial é a estrutura energética que é governada pela vontade. Essa falsa identidade que as pessoas confundem como o Eu (Personalidade) não deve ter permissão para afetar o Eu Essencial sem consideração cuidadosa e remoção da Auto-Importância. Intencionalmente transgredir este conceito central envolve tornar-se importante dentro dos limites de uma situação específica. A Auto-Importância pode ser uma ferramenta (desde que seja temporariamente explorada) quando o Iniciado busca uma forte presença social como meio de Espreita.

      Dispersar completamente a Auto-Importância, prematuramente, pode levar à apatia e falta de motivação para promover o Trabalho Energético. Uma quantia pequena, cuidadosamente selecionada, de Auto-Importância é geralmente necessária durante o desenvolvimento inicial do Self e, portanto, apenas as facetas óbvias e debilitantes da Auto-suficiência se identificam como necessárias de serem destruídas.

Tipharet

Disputando os Termos da Realidade Consensual
Tageriron – Os Disputadores

      O Caminho do Iniciado Volteca é ferozmente individualista. Nós entendemos que, no final, estamos sozinhos e o desenvolvimento de nossos Eus da Sombra depende do trabalho que nós e ninguém mais pode fazer. ”Então por que alguém desejaria estar em uma organização se o objetivo final é ser forte o suficiente para sobreviver como entidades individuais no Infinito?” Bem, além da razão óbvia do compartilhamento de informações, muitas vezes inconscientemente, ainda desejamos nos comunicar com mentes semelhantes. Esse impulso inconsciente pode ser benéfico se identificado e corretamente dirigido.

      O Iniciado, que decide afiliar-se à Order Of The Voltec, imediatamente tem acesso a uma nova realidade consensual. Essa é uma das melhores razões para se envolver com uma organização dessa natureza. A Realidade Consensual é um simples acordo que os humanos fazem uns com os outros sobre a natureza da realidade. Esse é um grande obstáculo para os Feiticeiros. O nosso dia-a-dia é travado de modo a encontrar uma maneira de viver além desse acordo e, ao mesmo tempo, voltar a ser funcional em sua matriz. Para o Feiticeiro, a Ordem do Voltec, serve como um local de existência onde não são necessárias explicações sobre a natureza da “realidade”. Não precisamos convencer um ao outro da realidade de nossas ações e, portanto, tornar um poder maior acessível um ao outro.

      Um passo importante para permitir que os esforços sejam realizados é rejeitar a realidade consensual. Os humanos têm necessidade de entender seu mundo, chegando a um acordo sobre o que é real e o que não é. Isso pode interferir no crescimento pessoal. A Order Of The Voltec permite que seus membros formem um consenso não comum, encorajando, assim, proezas aparentemente milagrosas.

       Uma abordagem comum que permite que esse processo comece é chamada de “antinomianismo”, que dá ao feiticeiro a liberdade de escolher quais leis sociais ou acordos são benéficos para ele e quais devem ser descartados. Nos estágios posteriores, esta é a plataforma da qual muitos saltos perceptuais serão feitos pelo Voltigeur. O antinomianismo é muito parecido com a quebra de padrões encontrados nos exercícios de Loucura Controlado, no entanto, desta vez o Iniciado está quebrando os padrões da sociedade em que ele vive.

      Essa ferramenta útil para separar a si mesmo da Realidade Consensual não deve ser confundida com a atenção que se apega a rebeldias, insensatez que muitos Iniciados do Caminho da Mão Esquerda se engajam. Saindo do seu caminho para ser “diferente” em prol da Auto-Importância, isso é contraproducente. O uso de cruzes pretas e invertidas não o separará da Realidade Consensual, mas atrairá mais atenção. A transgressão deste princípio é tornar-se imerso na Realidade Consensual. Este é um excelente método para passar despercebido por qualquer sociedade ou em qualquer situação social. Durante os períodos de perigo ou estresse das forças inorgânicas, o Iniciado pode voltar à imersão na Realidade Consensual, onde tais forças não têm influência, permitindo que a Realidade Consensual influencie você a tornar-se útil por ser inacessível à forças invisíveis que raramente têm qualquer impacto sobre a humanidade em geral.

Geburah

Erradicação do Anexos
Golachab – Os incendiários

      Quando um Iniciado Volteca pode separar-se de tudo, ele ganha uma grande vantagem sobre os seres humanos que estão ligados a coisas como bens materiais, situações emocionais, relacionamentos, resultados e fundamentos sociais, ganhos financeiros etc. O Volteca é aconselhado a se tornar uma Consciência da Morte.

      A adaptabilidade é importante tanto no esforço energético quanto em nossas vidas, devido à natureza da realidade. Nada é permanente e vai mudar mais cedo ou mais tarde. O desapego nos ajuda a lidar com esse estado constante de instabilidade. O Iniciado Volteca frequentemente não pensa que deve expressar suas emoções. Isto não é assim. De fato, uma boa quantidade de desapego nos permite experimentar ou emoções em um nível mais elevado, onde elas não estão sujeitas à influência da auto-importância ou de nossas percepções errôneas da realidade. Assim, as emoções podem ser expressas como um aspecto verdadeiro do Eu Essencial e não de apegos e medo do desconhecido.

        Perceber o valor de uma atividade, por si só, requer que permaneçamos desapegados do desejo pelos resultados de seu trabalho. Alguns Iniciados Volteca ressaltaram a preocupação com a tarefa aparentemente impossível de se tornarem Defensores da Morte e, portanto, abandonaram o programa porque não viam razão em continuar com o trabalho se não conseguissem atingir uma “Grande Imagem”.

      Para eles, o trabalho em si não deve ter valor. Tenho plena consciência de que talvez não consiga alcançar o Desafio da Morte, no entanto, minha Loucura Controlada, minha Disputa do Guerreiro, minha abordagem estratégica à vida, meu uso da Morte como Conselheiro e meu Desprendimento de resultados me permitem conhecer o valor do Desafio da Morte, a ação em si e não os resultados acumulados das ações.

      No capítulo 4, discuti como alcançar a auto-suficiência. Este mesmo exercício pode ser usado para combater o apego. Criar obras de arte e sua destruição é um método muito popular de desapego. Relacionamentos prejudiciais persistentes com as pessoas são uma excelente técnica. Às vezes, as pessoas ficam com os amigos apenas porque “eles sempre foram amigos”, embora o relacionamento seja unilateral. A outra pessoa participa do problema ou causa outros tipos de dano. O desapego da situação será o de perceber a futilidade do relacionamento e acabar com isso. A transgressão deste princípio é permanecer ligado a alguma coisa (ou alguém) por uma razão particular. Geralmente, isso é feito para que possamos permanecer acessíveis a ele (ou a eles). O desapego leva à inacessibilidade e ao apego intencional.

Chesed

Parando o Mundo
Gasheklah – Os Pertubadores

      O nosso mundo é confirmado por constantes descrições e garantias de outros e do nosso Diálogo Interno. Remover-nos dos limites da Realidade Consensual (ver capítulo 5) nega a influência que os outros têm em defender o mundo. Tudo o que resta são nossas constantes descrições internas do que é o mundo. Silenciar o Diálogo Interno é a chave para parar o mundo. O Diálogo Interno é a tagarelice constante em nossas mentes. Os humanos falam para si sem fim. Nos estudos orientais, alcançar o “silêncio interior” é uma busca para a vida toda, mas nos textos de Castaneda essa conquista é procurada e realizada cedo nos estudos do aprendiz.

      Acredito que isso se deva ao fato de ser tratado de maneira mais direta e prática do que pelo modo usual, vago e esotérico que é indicativo dos métodos orientais. O Iniciado Volteca se esforça para parar o Diálogo Interno porque é assim que tudo se torna atingível e tudo é possível. Como o diálogo interno é constante, a maioria das pessoas começa a substituí-lo pela realidade. Dom Juan diz a Castaneda que Parar o Diálogo Interno abre as portas entre os mundos. Desta forma, o passo adicional de Parar o Mundo é acrescentado à Prática do Portal durante a Técnica de Imersão.

      Toda vez que dizemos como algo é, gastamos energia preciosa fazendo exatamente isso. Para que a nossa feitiçaria funcione, devemos permitir que energia para trabalhar de formas não convencionais. Além disso, nossa manutenção do mundo bloqueia certos modos de percepção de nos alcançar. Para nos tornarmos acessíveis a Estados Perceptuais específicos, devemos parar o Mundo como ele é e permitir que um Mundo (Realidade) diferente se una a nós. Lembre-se, os Reinos das Sombras da Árvore da Noite Volteca são sustentados pelo diálogo interno (embora uma forma anormal de Diálogo Interno) também, então para que um Feiticeiro eventualmente vá além dessas percepções, o Diálogo Interno deve ser para completamente. Parar o Mundo.

       Parar o Mundo é uma descrição operacional de focar a Segunda Atenção. A Segunda Atenção é o nome para o “Nagual” ou o “desconhecido”, que são todas as nossas “habilidades mágicas” que temos desenvolvido através da nossa busca pelo Ocultismo. Para os nossos propósitos aqui, o Volteca irá parar o mundo através da Prática do Portal. Mais uma vez, vemos a importância do Portal Volteca através de suas aplicações versáteis em busca do Reino das Sombras e da compreensão prática dos “Conceitos Básicos”.

       Os textos de Castaneda fornecem muitos exemplos de técnicas para Parar o Mundo / Silenciar o Diálogo Interno, mas a técnica que eu pessoalmente uso é simples; Sente-se na frente de uma vela acesa e olhe para a chama. Feche os olhos e mantenha a imagem da chama em sua mente sem pensar em mais nada. Se você começar a pensar em algo que não seja a chama da vela, abra os olhos por tempo suficiente para recuperar a imagem silenciosa. Mesmo através dessa técnica, você deixará de falar consigo mesmo. A Transgressão Intencional de Silenciar o Diálogo Interno permiti que um tipo específico de fala interna se concentre na manipulação separada da Intenção através do que Dom Juan chama de Comandos Sóbrios. Nós também podemos defender o Mundo das Sombras (Árvore da Noite Volteca) na vida cotidiana, recitando repetidamente o Diálogo Interno experimentado quando a nossa Consciência foi incorporada no Eu Sombra.

Binah

Apagando a História Pessoal
Satariel – Os Ocultadores

      O Iniciado Volteca cria um “nevoeiro” ao redor de si mesmo, apagando a História Pessoal, ocultando-o das influências da Realidade Consensual ou de qualquer outra força escolhida. Um estado misterioso que é bastante imprevisível até mesmo para o Iniciado Volteca que se envolve no ato de criar a Névoa. Isso geralmente é realizado por causa da preferência do Guerreiro pela suprema liberdade de ser desconhecido.

      Nos livros de Castaneda, o leitor aprende que há três maneiras principais que um indivíduo pode apagar a história pessoal. A primeira é perder a Auto-Importância (veja o capítulo 4); a segunda é Assumindo Responsabilidade e a terceira é usando a Morte como Conselheiro. “Assumir Responsabilidade” é uma técnica na qual o feiticeiro escolhe seu ato com pleno conhecimento e sem arrependimentos ou dúvidas dos resultados. Essa técnica de vida estratégica permite obter grandes quantidades de poder pessoal. Usar a “Morte como Conselheiro” é uma técnica que produz resultados dentro da perfeição de todos os “conceitos básicos” de Castaneda.

      Na Order Of The Voltec, utilizamos algumas técnicas para Apagar a História Pessoal. O primeiro e mais simples método é a continuidade da Retro-Imagem. Agora, essa técnica em particular não apaga completamente a história de alguém, apenas fornece um passo prático para esse fim. No início, uma pessoa pode não estar pronta para apagar sua história e separar completamente (veja o capítulo 6) da Continuidade da Retro-Imagem Retro, mas é uma maneira fácil e indolor de dar passos em direção ao Desapego e ao Apagar a História Pessoal. É assim que o Iniciado Volteca começa a formar o Nevoeiro. A Continuidade da Retro-Imagem evita que familiares, amigos, colegas de trabalho, etc, obtenham novas informações sobre você sem a necessidade de danificá-los por meio do Destacamento completo.

      O feiticeiro deixa de falar de si para essas pessoas, mas permite que elas pensem nele, em seus antigos estados. Talvez o Feiticeiro estivesse interessado em modelos de foguetes, mas agora passa seu tempo em busca da Feitiçaria. Ok, se você contar à sua família e amigos sobre novos interesses, você se submete ainda mais às suas definições e ao seu conceito de realidade. Em vez disso, deixe-os pensar que você ainda está interessado em foguetes e deixe que isso seja uma fonte de interação. A ideia, no entanto, é direcionar a conversa com foco para eles. Não deve ser difícil, a maioria das pessoas gosta de falar de si. Para as pessoas que te conhecem, você permanecerá a mesma pessoa que sempre foi. Pode-se ver por que isso pode começar a formar o “Nevoeiro”, mas certamente não apaga a história de ninguém.

      A segunda técnica, a única da Order Of The Voltec, é um procedimento de Magia Cerimonial, reservado para o Quarto Grau, denominado Confronto Ancestral. Neste procedimento, o nome da família é abordado como um Egrégora e as partes vivas são separadas das partes mortas, estendendo assim a vida dissolvendo o “impulso da morte” e apagando a história pessoal. A transgressão intencional deste princípio é bastante limitada. A única aplicação que eu encontrei, neste momento, é permitir que uma História Pessoal Mágica (ou não comum) se forme para aumentar nosso desenvolvimento. Por exemplo, meu tempo gasto em vários ashrams hindus, meu tempo no Templo de Set, etc, tornaram-se minha história pessoal que é permitida existir porque, antes de eu estar preparado para apagá-las, elas eliminam as influências daqueles grupos que desejo manter.

Chokmah

Pequenos Tiranos
Ogiel- Os Estorvadores

      O Pequeno Tirano (como todos os Conceitos Básicos) serve a múltiplos propósitos. Além disso, ajudando com a eliminação da Auto-Importância, o Pequeno Tirano força o guerreiro a usar os princípios de Espreita e, ao fazê-lo, move o ponto de aglutinação. Quando visto de fora, o pequeno tirano aparece como um “impedidor”, mas o pequeno tirano, apesar de ser um atormentador, é usado em conjunto com os atributos do Volteca para temperar a BA (BA, um termo egípcio que se refere à acusação) do guerreiro.

      Os pequenos tiranos são ingredientes-chave na fórmula da Impecabilidade. Impecabilidade é estar livre de pressupostos racionais e medos racionais. Impecabilidade se acumula com o uso contínuo da Feitiçaria Volteca e de encontros com os Pequenos Tiranos. Nada pode preparar um Feiticeiro para enfrentar a presença do incognoscível tanto quanto o desafio de lidar com pessoas em posições de poder. Em minhas interações com os Pequenos Tiranos, aprendi o valor de viver com uma estratégia de ferro. Eu aprendi a planejar e orquestrar por trás dos bastidores, assim como a aceitar coisas que não posso mudar. Para mim, essas interações me proporcionaram oportunidades em vários aspectos do aperfeiçoamento do meu Eu Sombra, uma vez que isso está além do alcance desses Pequenos Tiranos.

      A interação e o manejo do Pequeno Tirano treinam o Iniciado Volteca nas aplicações do que Don Juan Matus chamou de os três elementos básicos da Estratégia. Esses três elementos são Controle, Disciplina e Tolerância. O controle é o elemento que permite que a energia seja direcionada, livremente, onde quer que seja necessária. Este elemento gera independência e resistência em todos os assuntos. Tornar-se furioso, irritado ou mesmo agitado são sinais de falta de controle. Disciplina é o elemento que permite ao Feiticeiro acessar vários pontos de energia em si, nos outros e no ambiente. Isso é a capacidade de manter o foco mesmo sob as circunstâncias mais adversas. Tolerância é a busca do “quadro geral” sem se envolver naquilo que não podemos mudar ou controlar. Permite-nos abandonar o que pertence aos outros e guardar o que nos pertence.

      O pequeno tirano, portanto, permite que o Iniciado treine esses princípios de uma maneira predeterminada e para que possam ser empregados quando realmente forem necessários. O efeito geral de se envolver com os Pequenos Toranos é que você aumenta continuamente a consciência a fim de diminuir as irritações e, assim, obter energia liberada a cada vez. Quanto mais você se esforça para aumentar a consciência, menos efeito elas têm.

      A transgressão do princípio do pequeno tirano é o ponto em que a situação se torna contraproducente. Os Pequeno Tirano é uma ferramenta temporária que acabará por seguir seu curso e perderá a potência. Uma ruptura limpa do Pequeno Tirano deve ser feita, no entanto, nenhuma vingança deve ser executada. Afinal, o Pequeno Tirano prestou um serviço no qual você aceitou livremente.

 

Kether

Percepção Dividida
Thaumiel – Gêmeos Divinos de Deus

Percepção dividida refere-se a um estado, no qual o Feiticeiro está consciente com o seu eu diurno e com o seu Eu Sombrio. Eles se movem juntos através de um ou de outro e experimentam a realidade como uma consciência unificada. O Eu do Lado da Noite refere-se ao corpo físico existente no mundo físico. A consciência é principalmente na realidade consensual e geralmente preenchida com o diálogo interno. É a posição atual do Ponto de Assemblagem conhecido como “Razão”.

Aniquilamos esse aspecto do Ser, subconscientemente e nosso estado “normal”, no qual estamos acostumados a viver. É o “Primeiro Anel de Poder” e é meramente um reflexo da ordem externa e só pode testemunhar os efeitos do Tonal mas não pode explicá-lo. O Eu Sombra é o duplo Feiticeiro no qual todas as tentativas, através dos métodos dos Voltecas, foram feitas para criar um conhecimento prático. É referido como Conhecimento Silencioso, que é a “Posição Original do Ponto de Assemblagem”. É o nosso contato direto com a intenção. Nossa Consciência é transferida para o Eu Sombrio durante nossa Prática de Portal, a fim de dar um salto de uma percepção 9para outra.

Na Order Of The Voltec, muitos dos saltos estão relacionados com as Posições do Ponto de Assemblagem na Árvore da Noite Volteca. O sonho é a outra maneira pela qual o Self das Sombras pode ser acessado e é feito especialmente em Sonho Lúcido.

Estar ciente de ambos os aspectos do Eu é um estado verdadeiramente único que poucos experimentaram. Todas as Posições do Ponto de Assemblagem dentro do Campo de Energia Humana tornam-se acessíveis e serão experimentadas com ambos os aspectos do Ser. Durante os estados de vigília, existem dois métodos para dividir a percepção que eu pessoalmente uso. Uma delas é desenhar o Eu das Sombras através do Portal e utilizar a Percepção da Divisão dentro do reino Físico. O outro é lançar o Eu do Lado da Noite através do Portal com minha Consciência para o mundo das Sombras da Árvore da Noite. Para Defensores da Morte, a Percepção Dividida é absolutamente necessária para a preparação do Eu, antes do Salto Final.

O eu do Lado da Morte pode continuar a trabalhar dentro do mundo Físico após o salto final com a ajuda do Ídolo de Thaumiel. O Ídolo de Thaumiel é criado como um ponto focal para a primeira atenção na realidade da jornada e como um destino para o Eu unificado agir sobre a Realidade Consensual mesmo depois que o Feiticeiro se afastou da Existência Consensual. Técnicas adicionais para ambos os métodos de Percepção de Divisão são emitidas o Iniciado Volteca após o extenso trabalho preliminar ter sido completado.

A Percepção Dividida é um estado no qual a Livre Circulação do Ponto de Assemblagem é alcançada e precisa ser abordada somente depois que um entendimento completo dos Conceitos Básicos tenha sido alcançado. Não há transgressão intencional da Percepção de Divisão, pois isso neutralizaria muito do que o Feiticeiro fez. O estado de Percepção de Divisão é experimentado por Iniciados qualificados e experientes que não precisam de tais redes de segurança.

Conclusão

Os conceitos centrais apresentados aqui foram explicados nos textos de Carlos Castaneda por décadas. As pessoas ainda lêem seus livros em todo o mundo e poucas têm ideia de como aplicar esses princípios. Menos ainda são aquelas que aprenderam a colocá-los dentro do contexto do Caminho da Mão Esquerda. Muitos destes Conceitos existem e não foram mencionados aqui, porém estes exemplos mostram como o Iniciado Volteca pode abordar estas ideias usando o modelo da Árvore da Noite Volteca. Persiga essas Posições do Ponto de Assemblagem e você aprenderá como esses conceitos podem se manifestar no seu caminho pessoal em direção à liberdade da Percepção.

-Traduzido por Dom Wilians

This entry was posted in Zona Morta. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *